Candidaturas Viseu Habita com prazo alargado até abril

16/02/2021 11:49

O Município de Viseu decidiu ampliar o prazo de apresentação de candidaturas para 2021 ao VISEU HABITA, inicialmente previsto para o período entre 15 de janeiro e 15 de março. Agora, os viseenses interessados em candidatarem-se ao programa municipal poderão fazê-lo até ao dia 15 de abril.

Segundo a autarquia, a decisão prende-se com a atual situação de confinamento geral, que poderá gerar dificuldades aos munícipes na formalização das candidaturas, nomeadamente no que respeita à recolha de todos os documentos necessários à instrução dos processos.

“O VISEU HABITA é fundamental para garantir o conforto e condições de vida aos viseenses. No momento que vivemos, com dificuldades acrescidas para muitas famílias, torna-se ainda mais vital, pelo que queremos assegurar que nenhuma candidatura fica de fora por questões alheias à vontade dos viseenses”, explica António Almeida Henriques.

O Município salienta ainda que as candidaturas a apresentar até 15 de abril podem ainda beneficiar do mais recente “upgrade” do programa, que agora valorizar obras de melhoria da eficiência energética e do comportamento térmico das habitações.

“O objetivo é garantir melhores níveis de conforto habitacionais, com efeitos óbvios no bem-estar e saúde das pessoas. Assim, a comparticipação máxima do Viseu Habita é incrementada em 20%, passando dos 5.000 euros para os 6.000 euros. Recorde-se que, no final do ano passado, a autarquia viseense aprovou uma verba próxima dos 400 mil euros para apoiar diretamente 58 famílias,” refere a nota.

O VISEU HABITA é já uma referência entre os programas municipais da autarquia, assim como o VISEU SOLIDÁRIO, que o complementa em muitas situações. Desde 2014, os dois programas já apoiaram 564 famílias do concelho, num montante global que ultrapassa os 3,6 milhões de euros.

“A dimensão da conjugação destes dois programas é enorme e destaca-se pela sua abrangência. Desde que os critérios sejam cumpridos, é possível recuperar uma fachada, construir uma casa de banho, substituir pavimentos ou adaptar uma habitação para receber pessoas com necessidades especiais”, remata António Almeida Henriques.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *