Hospital CUF Viseu com técnicas inovadoras no tratamento do aumento do volume da próstata 

23/11/2023 11:39

O Hospital CUF Viseu tem vindo a privilegiar técnicas inovadoras, através de abordagens minimamente invasivas, no tratamento da Hiperplasia Benigna da Próstata, uma das doenças mais comuns nos homens e com grande impacto na qualidade de vida. No mês de sensibilização para a saúde do homem, médicos do Hospital CUF Viseu alertam para a importância de se reconhecer os sintomas e procurar ajuda atempadamente. 

Considerada uma das doenças benignas mais comuns nos homens, que se caracteriza por um aumento do volume da próstata, a Hiperplasia Benigna da Próstata afeta as funções urinária e sexual, prejudicando a qualidade de vida dos doentes. Paulo Rebelo, Coordenador de Urologia no Hospital CUF Viseu, explica que para o tratamento desta patologia existem várias abordagens, «desde fármacos a cirurgias mais ou menos invasivas, no entanto, quase sempre os tratamentos têm alguns efeitos secundários». 

O aparecimento de técnicas minimamente invasivas que utilizam vapor de água, como a Rezum, ou através da colocação de um dispositivo, iTIND, surgem como alternativas aos tratamentos convencionais. De acordo com Paulo Rebelo, «a implantação deste dispositivo na uretra é uma nova técnica de tratamento que está a dar os primeiros passos em Portugal e que temos vindo a realizar no Hospital CUF Viseu. O dispositivo permanece implantado nesse local entre 5 a 7 dias, sendo depois retirado na consulta de seguimento. Este procedimento é realizado em ambulatório sem a necessidade de incisões e tem como grande vantagem a preservação da função sexual». 

O Rezum, que surgiu em 2015 nos Estados Unidos, é outro dos tratamentos inovadores e com claras vantagens para os doentes: «através de um sistema inovador que utiliza vapor de água para tratar os sintomas causados por esta doença é possível eliminar as queixas urinárias em cerca de 95% dos casos com preservação da função sexual, ao invés da maioria das restantes técnicas invasivas», refere Pedro Samuel Dias, Urologista no Hospital CUF Viseu.  

Esta técnica é utilizada no Hospital CUF Viseu desde 2020, tendo já sido tratados cerca de 80 doentes com uma elevada taxa de sucesso. 

As principais vantagens desta técnica residem «no facto de ser realizada em regime de ambulatório – normalmente, ao fim de três horas de recobro, o doente tem alta clínica -, o procedimento dura apenas cerca de 15 minutos e não é necessária anestesia geral, mas apenas uma ligeira sedação», destaca o médico. O tempo de recuperação é também mais célere e «a maior parte dos doentes regressa à vida ativa após um ou dois dias», completa Pedro Samuel Dias.

Os urologistas alertam para a importância de os homens valorizarem os sintomas e «procurarem ajuda especializada, de forma a realizar o diagnóstico e respetivo tratamento o mais precocemente possível, no caso de apresentarem dificuldade em iniciar a micção, jato urinário fraco, sensação de esvaziamento incompleto da bexiga ou aumento do número de micções diárias, nomeadamente, durante a noite». 

Esta é uma doença que afeta um em cada dois homens acima dos 50 anos e à medida que a idade avança esta prevalência aumenta. Na experiência clínica de Pedro Samuel Dias, «os doentes com esta patologia são cada vez mais jovens, pelo que é importante deixar um apelo à população masculina: não deixe que os sintomas se agravem nem considerem que fazem parte do processo natural de envelhecimento», alerta o especialista.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *