Estudo revela que confinamento prejudicou competência motoras das crianças

11/03/2021 11:32

O confinamento foi prejudicial para as competências motoras das crianças e deverá ser compensado com a realização de mais aulas de educação física no final do confinamento, revela um estudo feito pela Faculdade de Motricidade Humana.

No estudo foram avaliadas as capacidades motoras de 182 crianças, entre os seis e os nove anos, antes do início do confinamento e voltaram a ser avaliadas 114 delas, após o confinamento do ano passado, concluindo que, independentemente do sexo, o desempenho físico por parte das crianças foi menor na segunda avaliação.

Nesta investigação foram utilizados instrumentos de medidas que permitiram tirar conclusões factuais e sem subjetividade como por exemplo testes de “saltar rapidamente de um lado para o outro sobre uma madeira e ver quantos saltos eles conseguem fazer num determinado tempo, ou ver quão longe conseguem chegar no salto em comprimento ou até lançar bolas o mais longe possível, ou chutá-las”, descreve a investigadora Rita Cordovil.

Para os investigadores será importante a compensação por parte das escolas da falta de exercício dos alunos durante o confinamento, levando por exemplo os alunos para a rua, pois é um local mais seguro do que um espaço fechado. Deste modo, aumentar-se-á o tempo das crianças ao ar livre, compensando com a grande quantidade de tempo que estas estiveram paradas em frente aos ecrãs e com poucas saídas à rua durante o confinamento.

A investigadora admite que os parque infantis deveriam reabrir pois não há evidência científica que apoie que eles devem permanecer fechados uma vez que, não são locais de grande foco de transmissão.

//Lusa e redação//

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *