ARTIGO DE OPINIÃO: Uma janela de oportunidade

08/02/2024 18:30

Sou, desde o passado mês de Maio, responsável pela programação e direção artística do Centro Cultural de Carregal do Sal e o meu trabalho incide em alguns pilares que assentam na compreensão, necessidades e expectativas específicas de um público regional, visando a criação de experiências ricas, envolventes e culturalmente significativas. Acredito que a implementação de uma diversidade artística que enriqueça a experiência do público e atenda aos diferentes gostos e sensibilidades, promovendo a inovação e a originalidade. e que possa envolver colaborações entre artistas, apresentações experimentais e a introdução de trabalhos inovadores que desafiem as expectativas tradicionais, seja o caminho certo a trilhar. Valorizando e incluindo artistas locais na programação; fortalecendo a conexão entre a comunidade e o auditório; contribuindo para uma identidade cultural única que possa fomentar o desenvolvimento artístico na região. Garantir que a programação seja acessível, cultural, física e financeiramente, é, na minha opinião, o mais importante. Sabemos que o financiamento público é fundamental para atingir tal desidério, pois permite uma política de preços acessível; a oferta de eventos gratuitos ou com descontos para grupos específicos e a promoção de programas educativos e de ações de mediação que tornam a arte mais “explicada”, “desmistificada”, “traduzida”, acessível ao público em geral. Fomentar colaborações interdisciplinares entre artistas de diferentes áreas é uma estratégia que se me afigura correcta e inspiradora, assim como o envolvimento direto da comunidade, solicitando “feedback”, organizando eventos participativos ou oferecendo uma panóplia de eventos diversificados que possam atrair os mais diferentes quadrantes da sociedade, também.

É importante, penso eu, que, durante os processos de candidatura a esse financiamento público que facilitará o acesso das comunidades à cultura, não caiamos na tentação de desenhar as programações culturais cirurgicamente para a DGARTES, correndo o risco de esquecer as próprias comunidades que o financiamento vai servir. Seria um erro infeliz e uma distração pouco aceitável.

O ideal? Conseguir o financiamento público dando prioridade e sustentabilidade cultural ao longo do tempo, investindo em programas que nutram o desenvolvimento artístico a longo prazo e contribuam também para a preservação da identidade cultural local. Os próximos 4 anos abrem, espero eu, essa janela de oportunidade ao CCCarregal do Sal e eu pessoalmente tudo farei para não os desperdiçar. 

António Leal

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *