ARTIGO DE OPINIÃO – (i)Literacia em Saúde: Tabagismo e Cessação Tabágica

16/01/2023 18:30

O tabagismo, vulgo fumar, é, mundialmente, a principal causa de morte precoce, sendo, por isso, considerada uma das maiores ameaças de saúde pública.1,2 

Segundo dados da OMS, em 2020, cerca de 22% da população mundial era fumadora, sendo maioritariamente do sexo masculino, embora o número de fumadoras do sexo feminino tenha vindo a aumentar. 2

A última edição do Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo refere que cerca de 42% dos portugueses são fumadores/as ou ex-fumadores/as.3 Mais ainda, estima-se que, anualmente, o tabagismo seja responsável por mais de 8 milhões de mortes, sendo que mais de 7 milhões são resultado de tabagismo ativo. 2,4 

Quais os riscos associados ao tabagismo?1-7

O tabagismo contribui para a mortalidade por doenças respiratórias crónicas, cancro, infeções respiratórias, doenças cardiovasculares (enfartes agudos do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais, etc) e diabetes.

As novas formas de tabaco (vaporizadores, tabaco aquecido) apresentam os mesmos riscos para a saúde, não sabendo ainda os verdadeiros efeitos a longo prazo. Cada vez mais têm sido detetadas lesões pulmonares atípicas, associadas à utilização destas formas de tabaco. 

Quais os mitos associados ao tabagismo? 

  • O tabaco reduz o stressa nicotina é um estimulante, aumentando a frequência cardíaca e a pressão arterial, fazendo com que a pessoa se sinta mais stressada;
  • Após fumar sinto-me mais relaxado/asa privação de nicotina numa pessoa fumadora causa stress, pelo que ao fumar deixará de estar em privação.

E quais os benefícios de deixar de fumar?1,3,5

Vários são os benefícios em deixar de fumar como, por exemplo:

  • Se deixar de fumar antes dos 30 anos, a esperança média de vida volta a ser semelhante à de uma pessoa não fumadora;
  • Redução o risco de gravidez associada a baixo peso, prematuridade e o risco de morte perinatal caso se deixe de fumar antes de engravidar ou no início da gravidez;
  • Em 72 horas: a pressão arterial e a frequência cardíaca diminuem, reduzindo o risco de enfarte;
  • O olfato e paladar melhoram;
  • Em duas semanas há melhoria da função pulmonar e da circulação;
  • Num ano a falta de ar e o cansaço melhoram, a tosse diminui, reduzindo o risco de doença coronária em 50%;
  • Em 5 anos o risco de múltiplos cancros (bexiga, rim, cavidade oral e orofaringe, esófago e pâncreas) diminui;
  • Até aos 15 anos o risco de doença coronária e acidente vascular cerebral tornam-se semelhantes aos de quem nunca fumou;
  • Até aos 15 anos o risco de cancro de pulmão torna-se metade do risco de quem se mantém fumador/a;
  • A ansiedade e a depressão diminuem;
  • A médio prazo há melhoria da saúde oral. 

Como posso deixar de fumar?1,5

As estratégias para a cessação tabágica podem ser comportamentais ou farmacológicas. O aconselhamento com o seu médico/a pode ajudar a deixar de fumar. Para tal, será importante avaliar o histórico do/a fumador/a, sabendo os seus hábitos e perceber se existiram tentativas anteriores, e caso tenham existido analisar os motivos para o insucesso.

Numa primeira abordagem, é importante perceber as motivações, preparar o processo de mudança, procurando uma redução do número de cigarros inicialmente e posteriormente definir um dia para deixar de fumar totalmente. É importante partilhar o processo com os outros, ter acompanhamento regular para avaliar as dificuldades e prevenir recaídas. A mudança de hábitos, retirando da rotina o que a pessoa associa ao fumar, evitar a exposição a fumadores/as e ambientes com fumo e procurar adotar hábitos saudáveis (alimentares, atividade física regular e evicção/redução de bebidas alcoólicas) promovem o sucesso. Os benefícios da cessação devem ser relembrados durante o processo.

As estratégicas medicamentosas, podem ser equacionadas e discutidas em pessoas com elevada dependência nicotínica (> 10 cigarros/dia; 1º cigarro na primeira meia hora do dia), pela maior probabilidade de sintomas de abstinência, que são mais frequentes nos primeiros dias após deixar de fumar. 

Os medicamentos disponíveis incluem substitutos da nicotina (gomas, pastilhas, spray, adesivos), antidepressivos e moduladores dos recetores de nicotina. 

Dicas práticas para cessação tabágica: 

  • Beber água regularmente;
  • Alimentação saudável;
  • Atividade física regular;
  • Respirar fundo, relembrar os benefícios da cessação e ocupar a mente com outras tarefas;
  • Evitar álcool, café e ambientes com fumo/fumadores;
  • Procure ajuda médica, elaborando um plano individual e discutindo necessidade de medicação;
  • Partilhe as suas dificuldades e anteveja outras que possam aparecer.

Fumar tem um impacto na saúde individual, coletiva e ambiental. Não é positivo para a/s pessoa/s, nem para os animais e ambiente. Deixar de fumar é um ato de saúde pública consciente e responsável com consequências positivas para todos/as. 

Pense em si, pense no que o/a rodeia, pense no Mundo. Se fuma, deixe de fumar!

Bibliografia: 

1. Ajudar os pacientes a deixar de fumar | APMGF 

2. Relatório sobre a epidemia global do tabaco, 2019 | OMS

3. Programa Nacional para a Prevenção do tabagismo, 2017 | DGS

4. Institute for Health Metrics and Evaluation | University of Washington

5. Regional differences in tobacco smoking and lung cancer in Portugal in 2018 | BMJ

6. Treating tobacco dependence: guidance for primary care on life-saving interventions | IPCRG

7. The burden of disease attributable to smoking in Portugal | Revista Portuguesa de Pneumologia

[ VERSÃO EM INGLÊS / ENGLISH VERSION]

Health (i)Literacy: Smoking and Smoking Cessation

Worldwide, smoking is the leading cause of premature death and is therefore considered a major public health threat.1,2 

According to WHO data, in 2020, around 22% of the world population were smokers, mainly males, although the number of female smokers has been increasing.2

The latest edition of the National Programme for Smoking Prevention and Control states that around 42% of the Portuguese are smokers or ex-smokers.3 Furthermore, it is estimated that smoking is responsible for over 8 million deaths annually, with over 7 million deaths resulting from active smoking. 2,4 

What are the risks associated with smoking?1-7

Smoking contributes to mortality from chronic respiratory diseases, cancer, respiratory infections, cardiovascular diseases (acute myocardial infarction, stroke, etc) and diabetes.

New forms of tobacco (vaporisers, heated tobacco) present the same health risks, but the true long-term effects are not yet known. Atypical lung lesions associated with the use of these forms of tobacco have been increasingly detected. 

What are the myths associated with smoking? 

  • Tobacco reduces stress – nicotine is a stimulant, increasing the heart rate and blood pressure, making the person feel more stressed;
  • After smoking I feel more relaxed – nicotine deprivation in a smoker causes stress, so by smoking you stop being deprived.

And what are the benefits of quitting smoking?1,3,5

There are several benefits of quitting smoking, for example:

  • If you stop smoking before the age of 30, the average life expectancy returns to that of a non-smoker;
  • Reduced risk of pregnancy associated with low birth weight, prematurity and the risk of perinatal death if you stop smoking before becoming pregnant or in early pregnancy;
  • Within 72 hours: blood pressure and heart rate decrease, reducing the risk of heart attack;
  • Smell and taste improve;
  • Within two weeks there is an improvement in lung function and circulation;
  • In one year span, breathlessness and tiredness improve, cough decreases, reducing the risk of coronary heart disease by 50%;
  • In 5 years span, the risk of multiple cancers (bladder, kidney, oral cavity and oropharynx, oesophagus and pancreas) decreases;
  • Until the age of 15, the risk of coronary heart disease and strokes are similar to those of people who have never smoked;
  • Until the age of 15, the risk of lung cancer becomes half that of those who continue to smoke;
  • Anxiety and depression decrease;
  • In the medium term, oral health improves. 

How can I stop smoking?1,5

Strategies for smoking cessation can be behavioural or pharmacological. Counselling with your doctor can help you stop smoking. For this it is important to evaluate the smoker’s history, to know his/her habits and understand if there have been previous attempts, and if so, to analyse the reasons for failure.

In a first approach, it is important to understand the motivations, to prepare the process of change, seeking a reduction of the number of cigarettes initially and later to define a day to stop smoking completely. It is important to share the process with others, to have regular follow-ups to evaluate the difficulties and to prevent relapses. Changing habits, removing from the routine what the person associates with smoking, avoiding exposure to smokers and smoking environments and trying to adopt healthy habits (diet, regular physical activity and avoidance/reduction of alcoholic beverages) promote success. The benefits of cessation should be remembered during the process.

Drug strategies can be considered and discussed in people with high nicotine dependence (> 10 cigarettes/day; first cigarette in the first half hour of the day), due to the greater likelihood of withdrawal symptoms, which are more frequent in the first days after quitting smoking. 

Available medications include nicotine substitutes (gum, lozenges, spray, patches), antidepressants and nicotine receptor modulators. 

Practical tips for smoking cessation: 

  • Drink water regularly;
  • Healthy eating;
  • Regular physical activity;
  • Take a deep breath, remember the benefits of cessation and occupy the mind with other tasks;
  • Avoid alcohol, coffee and smoking/smoking environments;
  • Seek medical help by making an individual plan and discussing the need for medication;
  • Share your difficulties and anticipate others that may arise.

Smoking has an impact on individual, collective and environmental health. It is not positive for the person/s, nor for the animals and the environment. Stopping smoking is a conscious and responsible act of public health with positive consequences for everyone. 

Think about yourself, think about what surrounds you, think about the world. If you smoke, stop smoking!

Bibliography:

1. Ajudar os pacientes a deixar de fumar | APMGF 

2. Relatório sobre a epidemia global do tabaco, 2019 | OMS

3. Programa Nacional para a Prevenção do tabagismo, 2017 | DGS

4. Institute for Health Metrics and Evaluation | University of Washington

5. Regional differences in tobacco smoking and lung cancer in Portugal in 2018 | BMJ

6. Treating tobacco dependence: guidance for primary care on life-saving interventions | IPCRG

7. The burden of disease attributable to smoking in Portugal | Revista Portuguesa de Pneumologia

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *